O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Dengue – O conhecimento ajuda na prevenção

Sobre a dengue: A DENGUE NÃO ESTÁ ERRADICADA E DEPENDE DE CONSTANTES E FREQUENTES CUIDADOS

O mosquito chama-se Aedes aegypti    -      Transmissor da dengue 
Como se manifesta a doença?
Depois da picada, o período de incubação é de 3 a 15 dias

A contaminação é pelo sangue. Da seguinte maneira: uma fêmea do mosquito previamente contaminada, por ter picado uma pessoa contaminada, pica outra pessoa sã e assim transmite para essa a doença

Após o período da encubação, a pessoa terá: febre (de até 40 graus), dores de cabeça, e musculares, nos olhos, dores no ventre e nas costas, mal estar geral, perda de apetite e pode ter vômitos.

Se for um quadro de Dengue Hemorrágica, haverá manchas avermelhadas pelo corpo, sangramento das gengivas, nariz e podendo chegar a hemorragias internas.
Com suspeita de Dengue devemos procurar um médico de nossa confiança, ou um centro de Saúde Municipal para o diagnóstico e tratamentos.

O repouso e muito liquido ajudam na recuperação
.
Evitar medicações em casa, pois no caso de Dengue não podemos ingerir acido acetilsalicilico ou antiinflamatórios, que causam mais hemorragias.
A medicação melhora os sintomas e a resistência de cada pessoa é determinante na cura.
Cuidados em sua casa: não deixe água parada; feche as janelas e portas assim que sua casa estiver ventilada.

SIGA AS ORIENTAÇÕES DOS AGENTES DE SAÚDE. RECEBA-OS BEM, SÃO IMPORTANTES PARA FISCALIZAR E AJUDAR NO COMBATE.

Aceite sempre a visita dos monitores de combate a dengue, que trazem informações e avaliam seu quintal e sua casa com segurança.
Cuidadores: em ambiente limpo e sem água parada, a dengue não mora!
Se estiver em áreas de risco examine sempre o seu dependente, principalmente os que não podem falar.

Faça um mosquiteiro, eles são uma forma eficaz no caso de dependentes e crianças. 


Pesquisa e matéria feita por: Regina Valéria

 

Voltar Topo